Banda larga fixa com franquia e você limitado para navegar

Publicado em: 15 de abril de 2016

– O que pode mudar na sua conexão?

Sabe a sua franquia de 3G que quando acaba tem a velocidade reduzida ou a opção de comprar mais um pacote de dados? Pois é, as operadoras estão querendo que a internet fixa funcione também dessa forma, apoiadas por uma legislação da ANATEL – Agência Nacional de Telecomunicações, que já previa a cobrança por franquias em banda larga fixa em suas resoluções desde 2013. Hoje pagamos um valor e navegamos em uma velocidade pré-determinada. No novo modelo, o consumidor tem direito a um limite de uso da rede durante o mês, tão conhecido como franquia!
Se considerarmos um plano de internet fixa no Brasil com velocidade de 15 Mbps (Megabits por segundo) com uma franquia média girando em torno o de 80 a 100 GB, isso pode parecer até suficiente, não? Mas há alguns fatores que já começaram a preocupar os usuários.
O IBGE aponta que as famílias brasileiras tem em torno de 3 pessoas por casa. Se você pensar que cada um tem um smartphone e há mais aparelhos compartilhados que estão conectados a internet: Tablet, SmartTV, notebooks e videogames, o limite é facilmente ultrapassado.
O avanço de OTT’s (over-the-top), como de denominam os serviço de áudio e vídeo pela internet, como Netflix, Itunes, Sportify, Apple Música entre outros, geram um impacto exponencial no volume de dados trafegado pelos usuários desses serviços. E por isso as grandes operadoras já travam uma longa batalha no Brasil principalmente com o Netflix.
A Netflix estima que um vídeo em HD consome cerca de 3 GB por hora. Spotify e Google Play Música utilizam arquivos com qualidade entre 160 kbps e 320 kbps. Segundo o Spotify, o brasileiro passa, em média, 104 minutos diários ouvindo música no trabalho. Só durante esse tempo a rede consumirá cerca de 125 MB. Ao final do mês, o usuário consumirá aproximadamente 3,75 GB na plataforma.

– A posição das operadoras

O argumento usado pelas operadoras para justificar a adoção de franquias para banda larga fixa é de que o uso ilimitado incentiva o compartilhamento ilegal de banda larga e a degradação que heavy users provocam na rede, prejudicando o acesso dos demais usuários.
O que de fato está em jogo é a tentativa dos gigantes do mercado em preservar a fatia de mercado que possuem no mercado tradicional de TV por assinatura, serviço que vem demonstrando quedas no número de assinantes desde 2015 e não permitir que mais pessoas troquem seus planos caros de TV por um serviço on line com preço justo, já que beira ao ridículo a justificativa que sem essa medida os investimentos na ampliação das redes de telecomunicações seriam inviáveis.

E como a Telgo está se posicionando diante disso?

Acreditamos que a internet é o meio mais democrático de acesso a conteúdo e restringir isso seria uma forma de regredir no nosso tempo! Todos devem ser livres pra se conectar da forma que quiserem e por isso não aplicamos os limites de dados em nossos planos. Essa lei só nos distanciaria dos nossos atributos com os nossos clientes, do nosso DNA de Liberdade e Proximidade.