Como a iluminação da sua tela de smartphone afeta seu corpo e cérebro

Publicado em: 6 de junho de 2017

Fontes/pesquisas: Business Insider

Existe algo incrível que os designers das telas dos nossos Smartphones, Tablets e Laptop conseguiram criar na luminosidade delas. Elas brilham tanto que, conseguimos enxergá-las perfeitamente mesmo com um som bem forte sobre nossas cabeças. Claro que você teve que ir em configurações e ajustar o brilho para 100%, não é?

Nosso corpo segue um ciclo que nos ajuda ficar acordados e alertas durante o dia e à noite o cérebro reconhece como período de descanso. Quando olhamos pra essas telas – que, no nosso quarto fechado e escuro, sumulam janelas irradiantes de sol – nosso cérebro se confunde. A luz parece a iluminação do sol da manhã e interrompe a produção de melatonina pelo corpo – hormônio que dá sonolência na “hora de dormir”.

Com a diminuição da Melatonina, é mais difícil pegar no sono. A luminosidade da tela de eletrônica é como se você estivesse mudando de fuso horário, de maneira mais artificial possível. A repetição desse fato potencialmente nos acarreta problemas sérios de saúde pelo caminho.
Como funciona: infográfico

Pra combater o problema, programadores desenvolveram aplicativos como Flux e Apple’s Night Shift mode para iPhone. Ambos conseguem ajustar os tons de luminosidade emitidos pelas telas e remover o azul mais claro do display, em algumas horas do dia. Muitos usuários juram que os efeitos desses aplicativos diminui a dor nos olhos que sentem ao encarar as telinhas por horas. Mas é preciso um estudo mais aprofundado pra analisar o tópico.

E mesmo que haja alguma melhora, muitas das outras coisas que fazemos com nossos telefones também não são propícias para dormir. Se você está tentando se preparar para a cama e um email de trabalho atrasado aparece, isso pode destruir seu sono ainda mais do que desligar sua produção de melatonina.
Se você pode se comportar para fazê-lo, sua melhor aposta provavelmente é se afastar das telas em geral antes de adormecer – tente mantê-las fora de sua cama, pelo menos.

Pesquisas: